Seguidores

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Natal, Felicidades e Sonhos


Semana passada, eu e namorado sentamos na praça de alimentação de um shopping de São Paulo para discutir umas coisas e no meio da conversa, surgiram esses cantores que ficam em shoppings nessas épocas cantando Noite Feliz. Nesse momento, fez-se um silêncio no local, só eles cantando de uma forma tão bonita que eu confesso que meus olhos foram enchendo de lágrimas até que neu começasse a chorar como uma criança. Desde pequeno, essa música é o que me refere ao natal, aí você pode falar: ah, mas sempre toca isso! ou é brega! Não sei, a gente vive o ano todo na loucura do dia-a-dia, só no natal a gente dá uma pausa nessa coisa toda e prioriza algumas mais importantes, é diferente. Sempre é.
Natal pra mim sempre foi uma época especial, e é engraçado que apesar de muitos terem isso como hipocrisia, o que eu não acho, nessa época geralmente se vê um pouco mais de cordialidade, um pouco mais de paciência, as pessoas relevam problemas e diferenças.
É também uma época de reflexão, onde a gente repensa o ano, e muitas coisas na vida, eu por exemplo tenho bastante coisa para agradecer, muitos desejos se realizando, muita conquista e muita gente bacana na minha vida. Há muito tempo, as vezes essa era uma época de sofrimento, mas esse ano foi transformador, me reconciliei com pessoas importantes, alguns perdões surgiram e sonhos estão sendo encaminhados enchendo meu coração de alegria, por isso que esses dias se alguma lágrima cai, tem sido de felicidade, de agradecimento por tanta prece ter sido ouvida. Por tantas agonias terem sido deixadas para trás, por ter mantido a esperança acesa por tanto tempo mesmo quando tudo dizia o contrário.
Agradeça pelas pessoas que lhe fazem bem, se você não possui uma família como eu, agradeça aqueles que a vida lhe trouxe pra perto e que ocuparam esse papel, agradeça as coisas simples da vida, para que você não precise ficar sem elas em algum momento para lhe dar seu devido valor, agradeça a felicidade de cada dia e a vida, ás vezes reclamamos tanto na nossa rotina, e esquecemos de olhar em volta e perceber o quanto podemos estar sendo abençoados.
O Natal é renascimento segundo a perspectiva cristã, que possa renascer em cada um de nós nossos desejos, nossos sonhos, nossa fé e a esperança, porque não importa o quanto possam parecer distantes os nossos sonhos, nossas conquistas, sempre haverá esperança para nós. Sempre!



Feliz Natal! ^^

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Perdão


O professor pediu para que os alunos levassem batatas e uma bolsa de plástico para a aula. Ele pediu para que separassem uma batata para cada pessoa de quem sentiam mágoas, escrevessem os seus nomes nas batatas e as colocassem dentro da bolsa. Algumas das bolsas ficaram muito pesadas.

A tarefa consistia em, durante uma semana, levar para todos os lados a bolsa com as batatas. Naturalmente a condição das batatas foi se deteriorando com o tempo. O incômodo de carregar a bolsa, a cada momento, mostrava-lhes o tamanho do peso espiritual diário que a mágoa ocasiona, bem como o fato de que, ao colocar a atenção na bolsa, para não esquecê-la em nenhum lugar, os alunos deixavam de prestar atenção em outras coisas que eram
importantes para eles.

Esta é uma grande metáfora do preço que se paga, todos os dias, para manter a dor, a bronca e a negatividade. Quando damos importância aos problemas não resolvidos ou às promessas não cumpridas, nossos pensamentos enchem-se de mágoa, aumentando o stress e roubando nossa alegria. Perdoar, é deixar estes sentimentos irem embora, é a única forma de trazer de volta a paz e calma.

Vamos jogar fora as nossas?

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Ignorância e Bichinhas Mequetrefes


Elas estão em todo lugar. Mas antes de começarmos a falar delas, as bichinhas mequetrefes ou pão-com-ovo como queriam designar: ser uma bichinha mequetréfe é um estado de espírito e não uma condição social: é aí onde a maioria das pessoas pecam!
Na verdade, mequetrefe nem é o termo correto, porque:

mequetrefe
me.que.tre.fe

adj+sm
(cast mequetrefe) Diz-se do, ou o indivíduo que se mete onde não é chamado; metediço. Var: melcatrefe.

Ou seja, precisaríamos de um outro termo para designá-las, mas como elas não merecem que percamos nosso tempo procurando algum outro vocábulo para isso, tratamo-las assim mesmo.
Elas estão não só no baixo estrato social mas em todos os demais, algumas são ricas ou bem vividas ou casadas ou pós-graduadas ou tudo isso junto e mais alguma coisa e cultivam em si aquele espírito pão-com-ovo de ser: presumem-se as bunitas, inteligentes - ah, me deixe por favor abrir essa grande ressalva: como justamente algumas dessas que se julgam bunitas são justamente o contrário: me servem como grande motivo de graça - bem-sucedidas, por vezes, maioria delas mantém amizades sólidas como pregos na areia, são volúveis, precisam de atenção, portanto tentam chamar os holofotes para si através de comportamentos ridículos, de closes (no mal sentido da coisa), fofocas - a propósito, bichinhas mequetrefes são exímias fofoqueiras, tem um quê de abutres na sua essência - e adoram ver a desgraça alheia como aquele mecanismo de defesa estranho de quem vive na merda e portanto quer nivelar ou outros por ela.
Por um erro comum, bichinhas mequetrefes não vivem apenas em subúrbios, mas muitas delas vivem nos principais bairros nobres, tem uma vida cheia de regalos e exibem esse mequetrefismo do mesmo jeito. As boates da Zona Oeste de São Paulo tem tantas quanto as do Centro, muitas delas conhecidas (errôneamente) pelo mequetrefismo.
Elas, são essas que tem opniões pequenas do tipo que acha que todo mundo é gay, que se o cara se diz hétero e seu amigo é porque ele quer comer você... Aliás a ,
mequê (me fazendo íntimo) é a versão gay da feia-fofoqueira de ônibus: aquela que quando todo cara encosta nela ao passar no corredor do coletivo, ela grita - uma tentativa falida de se valorizar - pra que ele não se encoste nela, sendo que ninguém quer muito menos se encostar nela, porque ela é feia. (Adjetive o feia aqui como quiser)
Quando essa mequetrefe possui algo a mais: uma carreira promissora ou um MBA por exemplo, ela usa esse artifício para se pressupor melhor que as demais, seja mais bunita ou mais inteligente, muitas vezes são tão mequetrefes mesmo, que assumem para si essa personalidade como valor de verdade e são geralmente as pessoas mais insuportáveis da face da terra. São elas que estão sozinhas no canto da boate com seus dry-martinis na mão, afinal eles (os dry-martini, coitados) não podem dizer que vão ao banheiro e fugir da sua presença.
Algumas delas mantém relativa visibilidade com seu jeito incômodo - afinal, a desgraça faz sucesso, vide Datena - mas quem se aproxima, o faz apenas por isso e nada mais, até porque elas não possuem nada mais a oferecer. São como buracos-negros: sugam toda energia positiva por onde passam.
Elas não se preocupam em viver sua vida, as vezes não tem mesmo o que viver, outras, perderam o foco e acabaram entrando nessa estrada sem volta de mediocrização do ser. Estão aí, chacoalhando suas mãos bêbadas e girando o pescoço descontroladamente como perús perseguidos no terreiro para abate, sem saber para onde ir, apesar de quererem mostrar que sabem, não sabem.
Estão sempre com a cara na grade - do terreiro - enquanto todos os outros estão aí, cultivando a sua felicidade.
Rezai por elas.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Oportunidade e Impossíveis

Quando parecia impossível, surge a luz indicando uma saída.
Molhando-me de mim mesmo ainda, mas de esperança agora, não de tristeza.
As vezes subestimamos nossa capacidade de ser ouvidos.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Vasos e Corações Quebrados


Certamente faz tempo que não sentia tanto medo. Apesar de algumas incertezas - quanto ao meu merecimento - sempre tive humildade e foi nela que me aproximei de ti, veio com muitas lágrimas, muita dor, mas espero que me perdõe por não conseguir pegar nas suas mãos como desejava, confiar em atravessar o abismo sem olhar pra baixo, mas, o meu coração é como um vaso de barro, que na Sua mão eu deposito disposto a que seja quebrado e refeito. Me refaça. Nada mais é meu.

"The Lord is close to the brokenhearted and saves those who are crushed in spirit."
Psalm 34:18


Eu já fiz esse pedido pra vocês uma vez e farei hoje de novo (porque não?)
quem puder e quiser, faz uma prece ou manda uma energia positiva pra mim hoje?
Obrigado ^^
As vezes a gente precisa colocar pra fora aquilo que o coração anda cheio. Perdão pelos recentes desabafos.
The LORD is close to the brokenhearted and saves those who are crushed in spirit.
Salmos 34:18
The LORD is close to the brokenhearted and saves those who are crushed in spirit.
Salmos 34:18

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Lágrimas, Dúvidas e Conhecendo-se


Qual razão para uma lágrima?
Bem, podem ser muitas. A lágrima é uma manifestação extrema ou de alegria ou de tristeza.
Quando de tristeza, ela se manifesta como um transbordo, uma tentativa de resposta, de saída. Quando ela surge é porque transbordamos nosso sentimento em si mesmos, elas caem e molham, embraçam nosso olhar, olhar de desespero, de ajuda. Aquele nó na garganta significa que cansamos de lutar, significa que estamos no limite e nossa fortaleza não nos sustenta mais.
Em meio a roupa molhada, busca-se as respostas para uma série de coisas de como uma tormenta de verão veio, destruindo tudo em poucos minutos. Nos questionamos, para onde iremos, como sobreviveremos. A batalha perdida, indica a perda da guerra - ainda que haja a esperança- mas o futuro incerto magoa, entristece. Tudo fica mais opaco.
Soluçando, a gente inclina a cabeça e fecha os olhos, como se pudéssemos buscar lá dentro - ou Nele - as razões.
Existem situações que abalam mesmo os mais centrados, porque todos além de sermos humanos, temos sonhos e nossos sonhos - quando preciosos - se tornam as vezes maiores que nós.
Tem muitos dias de alegria, mas hoje - e possivelmente alguns mais - não serão de sol. E a luta agora será para fazer como a árvore, que perde suas folhas no inverno, fica feia, seca. Parece que morreu. Afinal o inverno é triste, é difícil. Mas dentro dela, ainda há vida, e insistentemente, ainda molhando mais as próprias roupas consigo mesmo, ainda há uma esperança. De que as horas olhando pro céu traga de volta o verão e consigo traga luz, traga realizações, traga felicidade.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Infância e Coisas que a Vida nos rouba.

Quando somos guris, parece que algumas coisas na vida fazem mais sentido, acho que é até por aí, onde a ligação das crianças com Deus - quando não intervém de alguma obrigação por parte dos pais - é geralmente pura e forte.
Quando era criança me lembro das vezes que ajoelhava na mesa do quarto e ficava ali falando com 'papai do céu' sobre qualquer coisa.
Ao crescer, descobrimos novas idéias, novas perspectivas, novos desafios. Nesse processo de amadurecimentos, temos perdas, vitórias, alegrias e tristezas.
Nessa história toda, nosso coração endurece - principalmente se crescemos a custa de muita dor - e perdemos a nossa inocência.
Parece estranho, mas parte da nossa inocência, por mais idiota que seja, faz parte de nós e sem exageros, ela é um dos sentimentos que conversam com a criança que existe em cada um.
Lembrei de certa vez que fui a cada do namorado, onde eu ajudo a criar dois cachorros, e ali eu fiquei por um bom tempo deitado e abraçado com minha cadela. Ele olhava, meio que sem entender, é como se fosse a minha criança interior que estava dando as caras e quem se lembra da infância, sabe que ninguém como os animais para compreender esse estado de espírito.
Hoje, quando alguns problemas aparecem, eu não escondo essa parte de mim, ela pode vir numa vontade de se esconder embaixo das cobertas, num choro ao escutar uma canção que pode te fazer lembrar do passado, numa prece. Afinal, uma criança nunca sabe bem o que fazer, e a vida mostra pra gente que as vezes, apesar de crescermos, nem todas as decisões podem estar em nossas mãos.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Altos e Baixos e Etapas que Pulamos




Nossos desejos poderiam ser mais fáceis? Poderiam.
Quando era bambino me dicevono que 'aquilo que é mais difícil tem mais valor e dura mais'.
Mas, quando crescemos, vemos que muita gente cretina, inescrupulosa, mentirosa, consegue muita coisa na vida muito mais rápido do que a gente.
Essa situação pode desenvolver um sentimento em nós que escurece nossa alma, de fato, injustiças são comuns - e serão - em toda nossa vida.
Se elas atingem nossos sonhos, é um calo mais dolorido que se aperta. Como agir?
Percebi que meus sonhos fazem muito mais parte de mim do que imagino e pude compreender que não pertenço a muita coisa do que vivo.
Nessa hora lembrei da metáfora da borboleta que, instintivamente ao concluir essa situação, se 'encasula' e começa seu grande processo de modificação.
O difícil - ou não - é quando a vida lhe exige que 'encasule' por diversas vezes.
Dói compreender quando sabemos que erramos e que não aprendemos com eles.
Portanto, fica a minha dica: Não negiglencie os teus, aprenda - de verdade - com eles! Muitas vezes eles são a grande oportunidade para dar nossos maiores saltos.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A Idade do Alface


No mundo onde a imagem conta - e muito - todos nós somos rodeados por apelos visuais afim de imprimir uma idéia, vender algo ou identificar um grupo entre outras milhares de funções.
Dentro da época da absorção, onde quase ninguém questiona nada, apenas 'engole' o que os meios colocam, o individualismo do consumo exacerbado retoma o narcisismo e o culto a imagem.
O gay - assim como toda a sociedade - também entrou (nesse caso de cabeça) no ode a imagem, com a diferença que essa característica, no nosso caso, virou a nossa referência e extrapolamos para quase tudo, levando imagem como item de seleção primordial.
Repare agora se basicamente tudo que busca atingir o gay, não tem de ter um macho esculpido de sunga e apenas ela?
Sei que a bandeira é nossa referência, mas eu cito isso em certas propagandas e meios de promoção. Quando sobe aquele banner de um cara lindo na internet, malhado, só de sunga a gente já sabe que se trata de algo para nós. O problema é quando essa propaganda é de um serviço que não se trata de uma rede social babadeira ou de uma nova sauna na cidade.
Será que homens musculosos sem roupa serão sempre a nossa referência para apelo? Eu sei que houve um tempo em que isso era essencial pra diferenciar as preferências sexuais, mas hoje é algo old. Será que sempre quando uma empresa, um evento ou qualquer outro órgão ou grupo precisar nos atingir, será essa a imagem?
Espero estar vivo ainda se um dia isso mudar.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

A via sacra de todos nós

**Este é um post musical. Apreciem!


" Quantos de nós já choraram de amor, já ficaram doentes, desacreditaram nele. Quantos de nós jamais quiseram ficar sozinhos, tiveram dúvidas, perderam quem amava, perderam tudo....
Quando esse amor se foi, decidiram reconstruir, sobreviviver se compreender.
Assim a dor se vai, você sabia que queria aquele amor mas no final agradece. Porque sabe que são com esses tombos que você se constrói e descobre que talvez tudo possa ter um final feliz. Ou não, ou você pode simplesmente viver a vida a esperar para entrar no palco principal, pode desejar que ele te precise um dia ou pode perceber que sempre se pertencerão independente de quantas voltas a vida der".

Nostalgia daqueles amores loucos e desesperados da adolescência, quando as músicas representavam tanto!
Assim como você cresce, aprende que amor é como cozinhar carne de peixe, quanto mais você pega durante o preparo, pior ela fica.

sábado, 15 de outubro de 2011

Alice não sabia de nada


Quando somos jovenzinhos, temos aquela fase das paixões desesperadoras - vide as milhares de meninas que gritavam pelo show recente do Justin Bieber - que na nossa cabeça jamais desaparecerão, que serão para sempre, etc, etc.. mas que com apenas alguns anos a mais, compreendemos que sim, a maturidade nos faz enxergar que existe muita coisa além do amor, muita coisa que confundimos com ele e entendemos que a maioria das pessoas distinguem o amor da paixão tão bem quanto um sommelier gripado entre um Cabernet de um Bourgogne.
Na convivência diária, vemos que a conta no banco, o mestrado dele, as suas viagens decorrentes da sua carreira podem até não serem determinantes, mas podem muito bem contribuir ao final das contas para as coisas andarem ou não. E isso não é culpa do caráter dele como você tradicionalmente Alice pode interpretar.
Daí, quando somos um pouco mais maduros, desenvolvemos a paciência, a observação, e aquele desejo desesperado-urgente-peloamordedeus (imagine esse tradicional vídeo da Xuxa como voz de fundo) dá lugar a sensatez, ao pé no chão mas também ao desânimo, vez quando achamos assim, que todos os nossos sonhos - então - não existem mais e que o mundo é muito cruel com a gente.
O mundo é cruel sim, contudo, você aprende que pode driblar ele e ser feliz , apenas não pode ser ingênuo e achar que uma cabana e um riacho e o bofe da sua vida são soluções pra tudo, infelizmente, Alice, não são.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Um porre


As vezes dá vontade de sumir, nessas horas eu entendo quem bebe. Beber, demasiadamente, loucamente, equivale quase a largar tudo pegar um avião e sumir, ficar longe dos compromissos, das responsabilidades....

Hoje eu me daria um porre. Mas um porre solitário, que é o porre mais auto-conhecedor que já existiu.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Saber o que se quer.

*Estou escrevendo do note dessa vez perdoem a falta de acentos.

Nunca fui fa de tecnologia, digamos que ate para celulares sou antiquado, mas reconheco como todo o mundo que Jobs revolucionou nossas relacoes com a tecnologia, de forma que nossas proprias relacoes sociais foram modificadas.
Lembro de anos atras quando entrei em contato com a historia de Jobs no famoso video da palestra para os formandos de Standford, onde ele, humildemente relembra sua origem pobre, a entrega para a adocao, a dificuldade dos pais para lhe pagarem sua faculdade e a tomada de decisao que mudaria aquilo tudo: o abandono da graduacao.
Foi atraves desta decisao que Jobs teve portas abertas, o curso de caligrafia que lhe mostrou inumeras coisas, que culminaram no lancamento do Mac.
Jobs retrata o amor e as perdas de modo fascinante e lembrava que estas situacoes podem ser oportunidades e que as vezes uma aparente derrota - como quando cita sua demissao - pode ser a molduracao do seu destino (nesse periodo ele conhece sua esposa) e ele nos deu uma licao de vida procurando fazer o que gosta e sobretudo: sabendo muito bem o que queria da vida.
Saber o que queremos da vida e o atalho verdadeiro para se sigamos nosso feeling e alcancemos nossos sonhos.

sábado, 24 de setembro de 2011

Manual de Saídas de Emergência

Várias vezes já nos deparamos com situações que exigem mudanças.
Aquela hora que você fica de saco cheio de alguma coisa e diz: é agora.
Por vezes, sabemos até onde estão os 'problemas' mas não sabemos como agir. Isso pode ser no trabalho, num curso, numa amizade, num namoro, num projeto e onde mais você imaginar.
As vezes, você já tentou mudar - ou mudar alguém/situação - e vê que as medidas que tomou ainda não foram suficientes. Resta assim, duas constatações: analisar se você usou todas as armas que possuía e definir o quanto a questão é prioritária ou importante na sua vida.
Se você acha que ainda não usou todas as armas, porque não ser mais enfático ou mais audacioso numa tentativa de solução? Como diz uma amiga: tá no inferno abraça o capeta! Ou, se você já abraçou, beijou e dançou conga com ele, colléague, pode ser a hora de partir pro plano B e desapegar da situação.
A gente fala em Tom de Cavalcante mas o negocio é sério: tem vezes que a gente quer salvar quem já morreu e nessas a gente ou entra no buraco ou morre junto.
O problema é que Freud conseguiu listar o ego, o superego, o ID, mas esqueceu o lado PQP da nossa consciência que fica atravancando a gente pra trás em um monte de decisões que precisamos tomar por medo.
Esse lado é aquele que fala no nosso ouvido com voz de Freddy Mercury prateado repentindo mantras do tipo: "se você pedir demissão não vai mais arranjar emprego", "se você largar ele vai ficar solteiro", "se você falar assim vai magoar a sua amiga"... [ se você não pegou o feeling, clica aqui e depois releia a frase que você vai pegar ]
Nessa hora, ás vezes (falo as vezes porque tem gente que não sabe o que é senso) é válido apertar o foda-se e dizer umas coisas pra ver logo se a gente conserta a situação ou se o barraco pega fogo logo e acaba a palhaçada. Quem sabe nessa hora você descobre que nem emprego, nem o namorado, nem a sua amiga eram pra você?
Medo é o pior carma que existe. E nem você com um cheque de 500 reais na sessão do descarrego consegue se livrar.
E não amigo leitor, eu não estou brincando!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Dove?


Sei cosi grande e io: un ragazzino. Ora cresciuto, faccio la stessa cosa che ho fatto tanto tempo fa: mi inginocchio. Perche? Perché so che il tuo cuore è insieme con chi soffre e so che non siete come si dice per tutti altri: Tu sei l'amore e che se ti chiamo - anche picollo come sono - ascoltami anche se io non ti merito - o creddo che non - ma perchè sarebbe que io (davvero) Ti amo.


As vezes os maiores sentimentos estão nas menores atitudes.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Paz e o que você quiser ou não acreditar.


Buscar a paz não é uma tarefa fácil e isso é intrínseco a cada um. Cada um tem um sentido particular para designar isso em si mesmo.
Como um gay, sempre soou contraditório acreditar em Deus e permanecer na minha condição. Pelo menos era o que eu sempre escutava. Que Deus e o mundo gay são duas esferas que não possuem intersecção entre si.
Para mim, entretanto, Deus sempre foi figura presente e mesmo crescendo numa família não-praticante, minha fé sempre se sobressaiu entre os demais dentro de casa.
Há tempos sou uma pessoa resolvida nesse aspecto e talvez certo desprendimento religioso - apesar de ser/ me considerar católico - me permitiu ter uma relação fantástica com vários amigos ateus e agnósticos.
Inclusive, sempre foi muito engraçado isso, um dos meus melhores amigos, Dêco, é ateu convicto e temos uma integração imensa mesmo tendo perpectivas tão distintas. Portanto fé para mim nunca foi algo imposto, mas algo natural, buscado fora de casa.
Sei como é complicado falar disso aqui, afinal fé se tem ou não se tem.
Para mim, essa comunicação - divina - é muito simples, muito direta. Minha fé particular é um tanto prática quanto a isso. Por isso não vivencio aquela penalidade barata que muitos gays que possuem fé exercem: Deus me fez assim e me conhece independente se XYZ falam que vou pra esse ou aquele lugar, resumindo.
Esses tempos tem sido muito reflexivos com relação a diversas áreas da minha vida e certas cobranças. Minha beast within regressou, trazendo consigo angústias e sempre são horas terríveis de se enfrentar.
As vezes penso que seria simples que Deus nos mantivesse sempre do seu lado, por praticidade, mas só quem entende de fé de verdade - não esses falsos pregadores por aí ou gente que louva, conhecedora a Bíblia ou outro livro sagrado mas de fé profunda como um pires - mas quem vivencia essa experiência de verdade e de coração, sabe que essas coisas não são tão simples.
Para quem acredita, Ele é o único a quem recorrer, o único a quem se resignar e confiar, uma entrega que ainda mais nos dias de hoje não é fácil.
Pois eu só peço que Ele leia os desejos do meu coração e a humildade da minha alma como quando eu era criança pedia nas preces sem saber nem do que se tratava.

Espero não ter dado um nó na cabeça de muita gente.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Decisões: Desfecho

Ontem externei algo que realmente me afligia.

Engraçado que muitas das ocasiões em que temos de tomar uma decisão, somos rodeados de perguntas e porquês parecendo que quanto mais pensamos, mais nos confundimos.
Ontem, iria encontrar Venenoso para lhe devolver um pertence, aproveitei a ocasião para me abrir e contar o que ocorria.
Duas horas de conversa e muitas dúvidas elucidadas, planos retomados e decisões revistas. Não foi aconselhamento mas aquela conversa em que um outro ponto de vista pode lhe apresentar organizadamente algumas coisas que você poderia possuir em mente, mas sem essa visão externa, não as alcançaria.
É como aquele texto que você ensaiou o dia inteiro, mas antes da apresentação você atua a cena e pergunta a um amigo como ficou, só essa visão mais imparcial - desde que haja confiança no ouvinte - pode lhe apontar erros e sugerir melhoras.
Óbvio que nessa história toda esse feedback só há se houver confiança, como a que tenho com ele.

Por vezes, se abrir pode ser iluminador, como um pára-brisa limpando a sua visão num dia de chuva para que você possa ver seu caminho a frente e se possível, andar mais rápido.


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Decisões

Tomada de decisões são uma incógnita.
Se for tomada sob dúvidas então: tiro na testa.

Como se avaliar sob uma decisão se ela está sendo tomada pelo nosso sentimento verdadeiro ou por uma conjuntura específica? Difícil tarefa.

Eu confesso que ser pego com essa dúvida é um verdadeiro martírio, ainda mais quando são decisões irremediáveis.

Tem gente que fica sozinha. Tem gente que pensa. Tem gente que reza.

Porque não?

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Paciência, Condições e Praticidade


Me tornei prático. Explico.
Eu sou simples pra resolver a maioria dos assuntos - incluindo os amorosos - o que é interpretado ás vezes como rispidez.
Estava falando com um colega e ele me contava a expectativa pra conhecer fulano tempos atrás, que passaram meses conversando por internet, cartas... ele começou a me descrever quando ele chegou no aeroporto...
Contou de quando terminaram, de um tempo que conversaram cada um de um lado, voltaram, terminaram e que hoje esse cara está namorando... enfim, engolindo as particularidades traduz-se inclusive que o cara não estava muito na dele nesse tempo todo.
Enquanto escutava ele contar, percebi que estou chato. Nunca fui pra ter paciência com tentativas-de-relacionamento-a-distancia e gente que pede um time por conta disso ou daquilo, hoje, acredito que quem está mal resolvido eu certamente mando se resolver e me deixar em paz porque eu sou a solvência in persona.
Ouço histórias de gente que tem vários 'pés-no-passado' e volta e meia se vê atormentada por algum ex-qualquer-coisa que ressurge mais rápido que spam. Pra se ter uma idéia, um colega terminou seu pseudo-quase-relacionamento há um mês, por iniciativa e piti pontual dele mesmo, e desde então vocifera tweets amargos contra o ex como se a culpa de tudo fosse do pobre coitado, eu tive que excluir ele da timeline antes que o mandasse tomar no orificio referido, encarnou a Amy Winehouse e só vive na pior #luisamarilac desde então. O face do coitado parece o Muro das Lamentações e daqui a pouco Jesus desce pra acabar com a palhaçada toda.
Tenho o evitado, porque ele se propos a cultivar a fossa de uma maneira que quando chego perto dele a Bovespa cai 2000 pontos.
Não sou desses, parafraseando verbete atual, eu sou prático: dispendio de mim aquilo que se demonstra querer, mas, talvez por achar que uma relação gay - justamente por assim ser - tem que ser igualitária.
Gay não possui essa palhaçada social de função homem e função mulher: o que paga as contas e a que cuida das crianças, que mesmo essa hoje já é last season. Por isso eu sou daqueles que acredita que tudo tem de ser dividido em igual: as contas, as propostas de passeio, o jantar...
Da mesma forma essa igualdade tem que ser representada também nas atitudes: não adianta só um propor idéias, estabelecer acordos e ser inventivo, é função dos dois isso.
Lógico, você pode ser o lado A ou o B e se conformar tranquilamente com isso, gente que quer casar com você no terceiro encontro tem esse hábito frequentemente, mas isso é algo que eu, particularmente, não aceito.
É como gente teimosa, sabe que tem gente que quer tudo do jeito dela. My navel is the center of universe e ninguém lhe convence do contrário. É como ser casado com o Hugo Chávez: se pedir sorvete de abacaxi vai pro xadrez!
Um amigo teimoso me disse certa vez: ai amado você diz isso, porque nunca amou! (oi?) Como eu adoro frases prontas [sic], respondi que amar a gente ama mesmo depois de amar a si próprio sabe?
Para bom entendedor, meio copo de vodka basta.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O Bem, o Mal e o que você quer que seja


Quando me deparei com a notícia da filha que foi absolvida pela morte do pai pela Justiça, óbvio que eu procurei verificar do que se tratava além da manchete sensacionalista. Severina Maria da Silva, de 44 anos, foi absolvida por um júri popular no Recife diante da acusação de mandar matar o próprio pai, com quem teve 12 filhos.
Conforme o processo, o pai a submetia a abuso sexual desde que ela tinha 9 anos. E agora, diante da possibilidade do pai promover a mesma violência com suas filhas pequenas, após inúmeras denúncias a polícia e pedidos de prisão sem efeito, ela, para defender a prole, mandou matar seu próprio pai.
O interessante dessa decisão da justiça é que está mais que claro que de fato, para Severina, esta foi a única alternativa diante de um Estado que fracassou no dever de lhe garantir segurança e a suas filhas. Contudo, um precedente como esse, abre para nós uma pespectiva de pensamento mais ampla sobre o que é bom e o que é mal.
As pessoas possuem um senso comum falso naquele dito popular 'pai é pai' ou 'mãe é mãe' como se esse ente familiar fosse incólume a qualquer desvio de comportamento.
Esse precedente é importante porque a sociedade brasileira é extremamente patriarcal e conservadora, e isso mostra que por muitas vezes numa adoção, o verdadeiro sentimento paternal/maternal se mostra legítimamente mais que em seu semelhante biológico.
Por isso, graças a esse avanço que a Justiça vem se desburocratizando e se desestigmatizando de 'sensos comuns' da sociedade e preterindo a particularidade de cada caso.
É sobre situações como a de Severina que podemos fazer uma analogia a adoção por casais gays, que é tão rechaçada por alguns setores da sociedade, mas que pode ser uma solução para tantas crianças sem lar e sem carinho abandonadas em instituições por esse país a fora.
Esse exemplo lamentável de Severina mostra que a pedofilia não tem nada a ver com ser gay e que infelizmente - principalmente no Norte e Nordeste - assim como a prostituição infantil, estão muito mais presentes na nossa sociedade do que imaginamos. Inclusive nos principais redutos eleitorais de deputados hipócritas que fazem a associação tão nefasta que me referi.
Uma pena.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Rapidinha, Agradecimentos


Hoje será um post diferente do habitual, mas não se preocupem.Completamos 100 seguidores, às vezes quando escrevemos, subestimamos o poder de dispersão das nossas próprias idéias. Quando eu vi esse blog, tão despretencioso, chegar aos 100 seguidores, vi que diversos leitores tem uma frequencia muito bacana aqui. Eu agradeço a cada um de vocês que comenta ou apenas passa pra ler o que escrevemos, o meu muitíssimo obrigado!
Espero também sempre que possível prestigiá-los e retribuir o carinho aqui. O Garoto agradece. ^^

Meu querido Ro Fers me publicou um desafio que revelou o quanto estou asno em leitura não-acadêmica: MEDO

1 - Existe um livro que relerias várias vezes?

Ensaio Sobre a Cegueira, de Saramago.

2 - Existe algum livro que começou a ler, parou, recomeçou, tentou e tentou e nunca conseguiu ler até ao fim?
Memórias Póstumas de Brás Cubas, foram 3 tentativas.

3 - Se escolhesse um livro para ler no resto da tua vida, qual seria?
'O Ego e o ID' pra alimentar a mente, 'A Bíblia' para alimentar a alma e o 'Pequeno Príncipe'.

4 - Que livro gostaria de ter lido, mas que, por algum motivo, nunca leste?
"O Nevoeiro" de Stephen King. Como vi o filme, fico com preguiça de ler o livro.

5 - Que livro leste cuja «cena final» jamais conseguiste esquecer?
O diálogo com a Raposa no "Pequeno Príncipe".

6 - Tinha o hábito de ler quando era criança? Se lia, qual o tipo de leitura?
Não, ok me atirem pedras.

7 - Qual o livro que achaste chato, mas ainda assim leste até ao fim? Por quê?
Nunca li algum livro que me desagraasse até o final.

8 - Indica alguns dos teus livros preferidos.
Aventuras de Robinson Crusoé - Defoe
Aprendendo a Viver - Sêneca
A paixão segundo G.H - Lispector

9 - Que livros estás a ler?
Discurso Sobre a Origem da Desigualdade Entre os Homens - Rousseau

Mais duas: segue essa notícia lamentável que li hoje.
Mais uma agressão na Paulista e o mais incrível e que vínhamos constatando: As vítimas foram agredidas apenas porque pareciam gays.
Para que legislação específica contra esse tipo de crime né?
Aproveitando: Os autores daquele outro caso em que pai e filho foram agredidos por parecerem gays foram presos.


quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Insensata Realidade

Fonte: Agencia O Globo

Uma reportagem muito interessante publicada hoje pela edição carioca do O Globo, intitulada "Um teste de tolerância" mostra que apesar de Insensato Coração haver terminado a menos de uma semana, a realidade é tão Insensata quanto muita coisa que vimos na referida novela.

A integra da reportagem está aqui e vou selecionar pontos importantes dessa reportagem que foi as ruas da zona sul carioca acompanhar dois casais, um gay e um lésbico, nas ruas e verificar o comportamento das pessoas mediante a troca de carinho desses casais.

"Numa bonita tarde de sábado, o passeio de dois homens pela Praia de Copacabana causou um pequeno alvoroço. Ao caminharem de mãos dadas, trocando carinhos, o ativista social Felipe Gomes, de 30 anos, e o arquiteto José Maurício Lima, de 40, provocaram reações que variaram de olhares arregalados a comentários maldosos. Houve, é claro, quem encarasse o casal com naturalidade, mas não foi o caso da maioria.

Na altura do Posto 5, um grupo de pessoas, na faixa dos 60 anos, trocou cutucões e cochichos ao avistar o casal. Um homem balançou a cabeça em sinal de reprovação. No entanto, ao ser abordado pela equipe de reportagem, negou ter preconceito em relação a homossexuais:

— Não estávamos falando deles, não. Por acaso, conversávamos sobre a novela. Todos nós torcemos para que os gays tivessem um final feliz. Só acho que a praia não é lugar disso, afinal, passam muitas crianças por aqui."

Ou seja, na mente dessas pesssoas a troca de afeto é uma atitude inapropriada para crianças, mesmo o STF dizendo que o beijo gay é como qualquer beijo.

A situação realmente se agrava quando esse casal se dirige a dois bares no Botafogo onde no segundo deles está havendo uma transmissão de futebol, onde as provocações são bem mais acentuadas:

"No primeiro, um homem de meia-idade não escondeu a irritação quando o casal escolheu uma mesa ao lado. — Agora é assim? — perguntou a um garçom, que não esboçou reação. O desconforto, nesse caso, foi tão grande que o homem pediu a conta e foi embora do bar deixando metade de um copo de chope para trás."

No segundo houve até intimidação:

"... presença do casal gay também não foi muito bem aceita. Um grupo de torcedores fez piadas e gestos de reprovação a cada beijo ou abraço de Gomes e Lima. Um homem que aparentava ter 50 anos se levantou e passou perto do casal dando um riso debochado. Já do lado de fora, não parou de encarar os dois, como se quisesse intimidá-los."

Cliché pra algum de vocês?

Isso ainda é o Brasil. Mas como disse Tony Goes nesse post "as coisas estão mudando mais rápido do que imaginávamos" . Esperamos.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Sentidos, Direções e Escolhas da Vida

Um amigo dizia sempre que: "Não importa o que façamos na vida, desde que haja um sentido nos nossos objetivos".
Na vida estamos todos ouvindo falar disso, mas nem todo mundo sabe em que direção ir.
No emprego ou no relacionamento, a gente costuma ter um objetivo. Por mais que você seja um funcionário, pode almejar o cargo de liderança futuramente, assim como alguém que namora e visa casar, por exemplo.
Esse 'sentido' é aquilo que nos faz caminhar na direção do que desejamos. Quem não possui, geralmente faz coisas por fazer, vive momentos por viver.
É normal que mesmo você sendo uma pessoa que estabelece planos, mesmo que eles dêem certo, você se pegue em algum momento questionando o sentido de algo importante, do seu emprego, da sua faculdade, do seu namoro....
Certamente a coisa mais decepcionante é se deparar estando em uma situação que perdeu seu significado: um emprego que estagnou sua carreira, um curso que você descobriu que não lhe trará nenhuma vantagem ou que depois de matriculado viu que não era sua praia, ou um namoro que perdeu o desejo da presença do outro e adquiriu um quê de obrigação.
Quando isso ocorre, perde-se a motivação de levantar todos os dias para trabalhar, não faz nenhum sentido entrar na aula para aprender trigonometria descoberto que você jamais a usará ou aquela sms pro namorado fica mais parecida com uma obrigação do que um real desejo de enviá-la.
Cada um de nós pode ou não possuir o timming pra saber o que fazer, mas ás vezes, mesmo que você compreenda essa situação pode parecer menos prático se desvencilhar dela do que um amigo sugere, ou simplesmente você pode ter ciência da necessidade de mudança mas falta de espírito pra isso.
Nem todas essas situações afinal você pode querer se desfazer.
A vida prossegue apenas se você deixar o que não te serve pra trás. É duro, mas é a realidade.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Discussões de Bar


- Você é simples
- Me explique o que é ser simples [ para o que está fazendo ]
- Isso é bom
- Depende, explica logo cacete
- Então você me disse dia desses que não tem nenhum 'amor do passado'
- Sim, e...
- E que isso é algo que poucas pessoas não tem.
- Amigo, eu e muitas outras não temos, não sou exclusividade nisso
- Todo muito tem um 'ex-que-balança' ou 'um-quase-qualquer-coisa'
- Voce sabe o que é amor completo?
- O que é?
- Quando você ama e é amado
- E? [ larga copo na mesa ]
- E que uma cota de gente ama alguém mas não é amado e isso não é um amor completo muito - menos realizável, afinal alguém casa com alguém sem que o outro o ame?
- Sim, mas tem gente que ama sem ser amado
- Pra isso se aproxima o fanatismo ou a paixão...
- Porque essa diferença?
- Porque não é necessário que exista vínculos afetivos pra que se exista uma paixão.. te explico outra hora guri
- Se acontece o que você disse antes alguém então não é feliz?
- É [ gole de suco ]
- Como se dá isso então?
- Isso o que?
- Isso, esse lance de não ter fantasmas do passado.
- Bem se amei alguém no passado e essa pessoa deixou de me amar eu me desliguei dela. É que é foda, tô resumindo demais isso... é mais ou menos por aí.. Mas calma, não sou 'o forte do pedaço' mas aprendi que antes de amar alguém preciso me amar saca guri? Do que adianta amar alguém que não te ama?
- Bem, mas isso leva um tempo.
- Lógico, eu chorei já em situações como essa de ser deixado por alguém, mas nunca mais que um dia. Sei lá sabe, acho que Deus sabe das coisas e acabo confiando isso nele? E outra, hoje eu possuo auto estima, antes eu ficava pensando 'oh, ficarei sozinho pro resto da vida! oh!", chega uma hora que você conclui que: e dai de ficar solteiro? Hoje essas guei tem 20 anos e já se sentem a beira da morte se estão solteiras... Contando que se seja feliz... esse lance de amor não depende só de você, depende do outro e tudo que depende de outro alguém depende de uma série de variáveis. Você apenas precisa encontrar o equilíbrio entre essa serenidade e se apaixonar. Não precisa se tornar o Coração gelado mas bancar a Maria la del barrio também é foda né?
- Tá.
- Pois é, a vida é mais que um namoro ou um casamento sabe?
- Mas você namora, não está feliz?
- Lógico que estou!
- E então?
- Vou descrever duas frases pra ver se você consegue diferenciar: uma coisa é você ser feliz por amar e outra é você também ser feliz por amar saca?
- Acho que sim.
- Entender essa sutil diferença define todos os seus propósitos na vida. Mas cada pessoa possui o seu 'eu' nesse aspecto, por isso cada um encara o amor de um jeito. Tem gente por exemplo que vive a vida toda em função dele. Aí vive 356 'romances' no ano e tem o humor mais inconstante que a Bovespa, vive dizendo que é abandonada e tal mas basta o boy convidar ela pra sair no dia seguinte e ela já faz os planos pro apartamento e divisão de bens.
- Quando que a gente sabe que ama de verdade, totalmente, incondicionalmente e todos os ente da vida?
- Não sei, não é que nem peru assado que quando está pronto apita! Sou guru não porra!
- Pode ser que um amor te faça mal?
- Pode ser formspring.
- haha E aí?
- E aí que a vida é feita de escolhas darling. Bebe logo essa cerveja.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Deus salve os Bons Blog!


Os blogs em si quando surgiram, tornaram a internet um espaço de maior reflexão. Pessoas, resolveram colocar idéias num espaço em que aquele 'agente pequeno' possuía pouca ou nenhuma visibilidade.
O interessante dessa ferramenta é que na maioria das vezes, obriga a alguma reflexão, afinal, você habitualmente regide e até pelo próprio formato que exige que você 'elabore algo' sobre determinada idéia ou assunto e não que solte apenas frases soltas por aí.
Nos ultimos dois anos, outras ferramentas como o tumblr e o twitter, ganharam espaço. O twitter e seus 140 caracteres se tornaram um espaço pra se dizer geralmente frases-feitas, não proporciona muita reflexão. É mais como aquele jornal que distribuem no metrô, que te faz ter uma idéia do que se passa, mas que se você lê-lo apenas, continuará apenas com uma idéia superficial de tudo. As vezes você necessita apenas 'causar efeito' sem produzir algo relevante.
Piadas são ótimas, todo mundo gosta, o problema é quando tudo se torna apenas piada-horóscopo-frasesfeitas e nada mais.
Ele trouxe um fato novo: o das celebridades estarem inside aos fãs e compreenderem melhor seus pensamentos mas muitas dessas mesmas celebridades deixaram essa ferramenta alegando uma certa 'invasão de privacidade'.
Evidentemente o twitter é um reflexo da sociedade que é enxarcada com uma enxurrada de informações e que foi acostumada a apenas absorvê-las. Uma sociedade que perdeu o senso de reflexão, de questionamento, que acredita que não se deve perder o tempo com isso: a sociedade da superficialidade.
O tumblr, que é basicamente uma ferramenta de compartilhamento de fotos surgiu com um propósito interessante, mas assim como Adele virou artigo de feira, o Tumblr virou apenas um 'fotolog sem propósito', já que este último, permitia um formato onde você podia desenvolver algum conteúdo ou expressar idéias, o que eu chamaria ignorantemente de 'ferramenta mais inteligente'.
Penso que no meio disso tudo, o blog resiste, permitindo-se ser um espaço mais reflexivo, mas que também pode ser descompromissado, com um equilíbrio que nos livra dos perfis imbecis e prontos, das replicações idiotas e das frases sem raciocínio do Twitter ou dos albuns de fotografias sem propósito do Tumblr.

- Deus, salve os 'bons blog'!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Orgulho Hetero!

Estava ansioso por um dia desses! É difícil demais ser hétero hoje neste mundo. Somos agredidos nas ruas por que? Apenas por sermos heterossexuais. Eu nem consigo andar mais na cidade, de tanto medo.

Além disso, todo o constrangimento de dizer à minha família que sou heterossexual. Meu pai ficou um mês sem falar comigo, minha mãe idem – tem melhorado esses dias - e ainda nem conversamos direito, mas já nos cumprimentamos aos poucos, está sendo uma barra em casa.

Fora as piadinhas… Isso sinceramente afeta a dignidade de qualquer pessoa. Quando descobriram que eu sou heterossexual, simplesmente me expulsaram do time da escola. Assim: sem mais nem menos. Não foram diretos, disseram que não queriam mais jogar. Mas eu sei que continuam se reunindo sem me informar.

Posso relatar muitas histórias dramáticas por ser heterossexual. Muitos amigos meus tem histórias parecidas com a minha, os mesmos dramas dentro de casa, o mesmo medo. Um amigo foi posto pra fora de casa aos gritos porque era hétero. Ficou sem ter onde morar, sem ter o que comer por causa disso. Amigos o acolheram, hoje está se reerguendo. Outro, foi agredido na rua meses atrás, foi na delegacia prestar queixa, riram da cara dele. Até hoje quem fez isso saiu impune. Os heterossexuais precisam se unir, pois, francamente, estou cansado. Cansado de tudo isso!

Quero poder construir a minha família e ter meus direitos que a sociedade me nega, apenas isso.

Acho que eu tenho direito de ser heterossexual, afinal ninguém paga minhas contas!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Insensata Decisão: Novela, os Deputados evangélicos e a Hipocrisia.


"De acordo com a coluna Zapping, do jornal Agora São Paulo, tem crescido a torcida nos bastidores de Insensato Coração, da Globo, para que o casal gay Eduardo (Rodrigo Andrade) e Hugo (Marcos Damigo) seja assassinado no fim da trama, pois esta seria o único desfecho impactante para os personagens, que sofrem censura e cenas de corte a pedido da direção da Globo.

No último bloco de capítulos recebido pelo elenco consta a morte do casal, mas muitos acreditam que seja uma forma de os autores confundirem os profissionais que divulgam os capítulos para a imprensa."

Fonte: Terra

Ontem estava lendo a entrevista do Aguinaldo Silva a Veja e as avaliações do Tony Goes e do Muque de Peão. Constatei que além de encaramos a questão da aceitação da sociedade no geral, temos ainda as arestas com os gays de outras gerações, que não são favoráeis a temas como adoção e casamento por muitas razões listadas pelos nossos amigos acima.

Pra completar, eu assisti a belíssima reportagem do CQC escrachando o preconceito que existe na sociedade, se é montagem ou não, eu não sei, mas é bem por aí a famigerada sociedade.




Enquanto eu pensava 'Tudo começou a girar, girar" nem tempo eu tive porque hoje eu li na Folha uma matéria intitulada "Sucesso eletoral da Assembléia de Deus é maior que o do PT" onde o jornal disseca a questão eleitoral no país onde cada vez mais se elegem deputados ligados a igreja. Essa análise é interessante:

".....Antes das eleições de 2010, o deputado federal Ronaldo Fonseca (PR-DF) reuniu-se com José Wellington Bezerra, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus, para escolher pastores e lideranças da igreja com bom potencial eleitoral. Fecharam a lista em 30 nomes. Conseguiram eleger 22 deles, um percentual assombroso de 73,3% de sucesso. Não há partido político no Brasil com tamanho êxito: o PT, por exemplo, dono da maior bancada da Câmara, lançou 334 candidatos a deputado federal e elegeu 88 deles (26,3%)."


Eles conseguem proporcionalmente eleger mais deputados que o PT, partido atualmente mais popular do país.
Esse é sinceramente o modelo eleitoral que mais me assusta afinal corrpução aliada ao fanatismo religioso boa coisa não vai dar.
Tanto que já há movimentos como essa "Marcha do Estado Laico" no Facebook, afinal não sou eu nem você apenas que vemos o perigo que a democracia corre.

- Berenice, nós vamos bater.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Preciosa Nota Mental

Em maio, nessa postagem sobre amor, desdobrei uma idéia de um amigo meu onde ele pontua entre outras coisas:

"... Saber lidar com o amor, com compromisso, nunca foi fácil pra ninguém. Algumas vezes a gente cai, e é nesse ponto que devemos ter cuidado e observar: O que determina alguém não é o sucesso, ou a queda, mas com que maneira lidará com essas duas coisas. Principalmente na queda...

....Sua felicidade estará determinada na forma em que será tratado quando errar e qual será a reação dele quando você dizer que errou e pedir desculpas. Quando você errar com ele, se vai baixar e te ajudar a juntar os pedaços, ou ficar de pé de braços cruzados...

....É bom observar estes detalhes, são coisas que vão te acompanhar e se repetir muitas vezes."


Ele, pontuou esses detalhes como um sábio, lembrando disso me interveio outro pensamento memorável sobre um comportamento que deve ser colocado em prática não só no relacionamento como na vida em sociedade:

"O sábio para falar, antes medita o que dizer, ou a quem dizer, em que lugar e tempo"
Santo Ambrósio

terça-feira, 19 de julho de 2011

Insensata Revelação

Nunca fui fã de novelas, se resumem a três ou quatro as que realmente acompanhei a vida toda, semprei vi poucas que se utilizassem de seu conteúdo para passar algo de bom pra população.
Tenho acompanhado pela internet, um pouco de Insensato Coração e me lembro que a anos atrás jamais viriamos histórias sérias que envolvessem gays sem representá-los como figuras de catarse coletiva.
Hoje vi no Muque de Peão uma cena entre um filho gay que acabou de sair do armário que não dormiu em casa pela reação da mãe - que trabalha numa praia de alta frequencia gay - a sua revelação, quando ela descobre sua saída de casa, se desespera e revela emocionada suas verdadeiras razões.
São outros tempos que esse país vive e são nesses exemplos, como de uma novela que aborda o drama da abertura da sexualidade, que precebo o quanto a questão da visibilidade - bem realizada - é necessária.
São realmente cenas como essa que podem mostrar a população as nossas histórias e trazer situações como essa para a realidade pra quem sabe, num futuro não muito distante, isso seja cada vez menos traumático aos pais.


quinta-feira, 14 de julho de 2011

Contrastes, Momentos e Coisas que eu gosto em você


'Ele é bem parecido com você, deve dar certo'.
Essa máxima, que muita gente que banca a Ana Maria Braga do amor espalha por aí, não é uma verdade, mas pode também não ser uma mentira.
O amor pode dar muito certo com tudo conspirando a favor, mas na maioria das vezes não é assim.
Meu namoro hoje, é a síntese do contraste:
Ele é um vulcão de loucura, eu o poço da serenidade.
Ele fala pra pensar, eu penso pra falar.
Ele é samba, eu sou rock.
Ele é cidade, eu sou campo.
São aquele monte de contrastes que as vezes a gente pensa em como foi que um conseguiu se apaixonar pelo outro. Universos tão distintos, de repente se encontram e sabe se lá Deus como: se juntam.
Muitos dizem que quando procuramos alguém igual a nós, buscamos a si mesmo. O outro, sempre será um universo distinto do nosso por mais parecido que seja e a aceitação é a basepara compreender esse outro universo .
O mais engraçado é um tentando se adaptar ao outro, aos gostos, ao suco de laranja que amo, ao fanatismo de coca-cola dele, o passeio no shopping dele pelo meu desejo de se enfiar no meio do mato.
Com a convivência, a gente percebe que uma das coisas fundamentais no relacionamento é a confidência. Quando ela acontece os dois se identificam - mesmo nas diferenças - e se reconhecem e reconhecem ao outro nos pequenos detalhes, da mudança de voz diferente no telefone ao olhar perdido na cozinha enquanto espera o jantar ficar pronto.
Tem as coisas boas: o presente inesperado, a mensagem no fim do dia, o olhar brilhando quando te vê.. e as ruins: ciúme, falta de comunicação...
Uma relação tem que ser algo que, acima de tudo, você queira, por isso sempre defendi o direito a quem deseja de ficar solteiro, afinal, pra namorar precisa-se de disponibilidade e paciência e não é todo mundo que tem saco pra isso.
Sempre haverá arestas para aparar, 'namoro é diplomacia' dizia um amigo meu.
Pra quem quer, há as compensações: a mensagem dizendo que ele está batendo vitamina pra você quando chegar, ou aquele bolo de chocolate que ele fez só pra você.
Ontem mesmo, chegando aqui no escritório, abri um pacotinho de bolo que ele fez e me colocou na bolsa e enquanto mordia cada pedaço, lembrei que um sábio dizia que 'o amor do outro, se manifesta na ações e no cuidado que ele tem com você', parafraseando um dito popular de 'quem ama, cuida'.
Nessa hora, enquanto mordia um pedaço, refleti que nessas horas é que a gente sabe o quanto é amado.
E se alguém não te cuida, cuide-se, presenteie a si mesmo. Afinal, tem horas que a gente precisa parar um pouco e cuidar da gente não é?


*Faz tempo que não posto algo sobre frivolidades.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Adoção por Gays.


No começo do mês li essa notícia no Terra:

Casal homossexual de SP adota 5 crianças no Rio

Um casal de gays de Itapetininga (SP), após três anos de espera, recebeu da Justiça o direito de adotar filhos. Através do Cadastro Nacional de Adoção, eles foram levados a Sumidouro (RJ), onde cinco irmãos viviam no abrigo municipal após diversos conflitos com a família. Dispostos a adotar até duas crianças, eles acabaram pedindo a guarda dos cinco, com idades entre 4 e 10 anos. O juiz da comarca local, Josimar de Miranda Andrade, atendeu o pedido na última quinta-feira.

Segundo o magistrado, a Justiça havia concedido aos gays a guarda temporária dos meninos, que passaram o último Natal com o casal em São Paulo. Uma equipe de profissionais nomeada pelo juiz acompanhou a situação, e a boa relação de ambas as partes foi fundamental para a decisão. "Nunca tivemos uma informação desagradável. Depois que o Supremo decidiu, não tive mais porque negar a adoção. Estamos dando uma oportunidade a essas crianças de ter um lar e uma vida", afirmou ele.

Andrade disse também que os pais biológicos das crianças concordaram com a adoção e admitiram problemas com bebidas alcoolicas. "Eu tive cautela para decidir. Mantive contato com o juiz de Itapetininga, que conhecia o casal. Eles chegaram aqui habilitados e com boas credenciais", afirmou. Na nova residência, os irmãos estão recebendo acompanhamento psicológico e ganharam novos documentos com os sobrenomes dos pais adotivos.

Pela legislação do País, o estado civil e a preferência sexual não são determinantes para autorizar ou não a adoção. Os pretendentes devem ter mais de 18 anos e ser pelo menos 16 anos mais velho que o adotado, além de comprovar que possuem condições materiais de sustentar a criança e possuir idoneidade moral.

Noticiado em 01/07/2011 em Terra.

São situações como essa que devem ser comemoradas. Casos que expõem a nossa sociedade o que nos difere deles é nossa condição sexual, apenas isso.
Aproveitando, segue vídeo bem legal da reação de uma criança a um casal gay. Muito bacana.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Adele, Pseudo-Inteligência e Cults de Meia Tigela

Explicar o que Adele canta ou fazer uma síntese dela aqui pra começar uma postagem é algo dispensável, visto que hoje é quase uma unanimidade seu conhecimento e o reconhecimento de sua qualidade, coisa que no ano passado, quando tive meu primeiro contato com ela seria necessário.
Hoje ela é admirada, considerada cool e vem sendo adotada por muitos numa forma de se afirmar cult. Se popularizarmos o raciocínio, seria que, muitos curtem Adele hoje para parecerem mais inteligentes.
Quando a ouvi pela primeira vez, admirei sua voz, mas não conhecia sua letra já que meu inglês é muito ruim ainda, lendo elas, vi que suas músicas tem um quê depressivo, coisa que gente como Laura Pausini, Mariah Carey ou Sarah Brightman já fizeram em outras épocas, cada uma em seu estilo, idioma e suas belíssimas vozes.
O que é inovador em Adele sob meu ponto de vista: o estilo. Suas composições são um misto de R&B, Soul e Jazz. A coisa toda gira basicamente sobre estes rótulos. Em alguns momentos é mais Jazz - como em suas baladas regidas pelo piano - e em outros mais R&B e Soul.
Não questiono sua qualidade de voz, que é realmente grande como quando houve o fenômeno Amy Winehouse nos anos passados, e cuja 'adoração' assumiu o mesmo espírito. Quando questionamos esse gostar por gostar de Adele, refletimos sobre o fato de assumirmos mais do que desejamos 'parecer ser' do que de fato 'somos': nesse caso substituímos o verbo 'ser' por 'gostar'.
A questão é que hoje tornou-se uma moda que vem acompanhada de certo status, muitos - não todos - usam em determinados meios como uma forma de refinar seu gosto musical. Se estendermos essa análise além, é uma forma de apropriação que muita gente faz em diversas outras áreas da vida. O que a Adele é mero e pequeno exemplo.
Se escutar Adele fizesse as pessoas mais inteligentes, como querem supor alguns, queria ela por 10 anos no topo da Billboard. Isso sim é um fato.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Burrice, Religião, Orgulho Hétero e Direitos Gays

Na semana que celebrou-se a Parada LGBT de São Paulo, a maior do mundo em número, foi verificado uma série de impropérios como a votação proposta pelo vereador paulistano Carlos Apolinário (DEM) para a criação do 'dia do Orgulho Hétero'.
A Marcha pra Jesus o invés de pedir paz, virou basicamente palco para radicais repudiarem a decisão histórica do STF que garantiu a união estável homoafetiva, declarando que 'o único supremo é Deus'.
Myriam Rios, deputada, hoje missionária católica da renovação carismática, fez um pronunciamento na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro onde associou homossexualidade a pedofilia com a conhecida comparação que uma babá lésbica supostamente abusaria de suas filhas.
O que mais impressiona nessas afirmações é a falta de conhecimento de causa que em ambas manifestações os interlocutores possuem sobre o que falam, e isso se trata do que? Burrice.
Justamente por todos estes pertencerem as esferas religiosas, não deveriam pautar seus discursos pela defesa da solidariedade, do amor e de auxílio aos mais vulneráveis?
Atualmente, as bandeiras sociais das igrejas foram postas de lado, como as saudosas Comunidades Eclesiais de Base, que haviam na Igreja Católica em décadas passadas e apenas se pautam essas questões de moral onde religiosos querem impor a todos o seu entendimento de vida sem levar em consideração aqueles que não pensam como eles. E qual o nome disso? Intolerância.
A participação de deputados de denominações, principalmente as pentecostais, na política onde se alimentam desses discursos basicamente para agregar fiéis, já que por parte dos ignorantes - no sentido estrito da palavra - esse 'radicalismo' é associado a rigidez, prestam um enorme desserviço a sociedade.
Para um país imenso e populoso como o nosso, com uma educação precária, onde cerca de 5% apenas da população está no ensino universitário e o ensino fudamental e médio forma cidadãos semi-analfabetos, o uso da fé por esses religiosos precisa ser revista urgentemente ou continuaremos vendo igrejas de falsa fé, se utilizando das massas apenas para seus interesses.
Como ouvi dia desses: Tomara que Jesus volte mesmo e acabe com essa palhaçada toda!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Jovelina das Cruzes, Minha diva.

extraído a partir de matéria do Ig, sobre a Marcha Para Jesus realizada por grupos pentecostais em São Paulo nessa ultima quinta feira:

"......Quem defende o homossexualismo e a maconha está aqui a serviço de Satanás", disse o auxiliar de informática Natanael da Silva Santos, de 19 anos, que foi à marcha usando calça apertada, cinto de taxinhas e a tradicional franja emo. Enquanto a reportagem entrevistava os jovens, a aposentada Jovelina das Cruzes, de 68 anos, ouviu a conversa e fez uma intervenção. "Vocês estão falando sobre o que não conhecem. Meu sobrinho é gay e é um rapaz maravilhoso. Ótimo filho, muito educado, muito honesto e estudioso. Já o meu filho é machão e vive batendo na esposa, não respeita ninguém, não para no emprego."

Quando Jovelina virava as costas para continuar a marcha Natanael, que não se deu por vencido, fez uma observação. "Cuidado, tia. Se o pastor escuta a senhora falando Linkuma coisa dessas ele não deixa mais a senhora entrar na igreja". E Jovelina respondeu. "Igreja é o que não falta por aí. Se me impedirem de ir em uma, vou em outra. Não tem problema."

Para entender, clica aqui.

São de evangélicos assim que se necesssita.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O 'Eu Chapado"


- Você o conhece!
- Não. Eu conheço o seu 'eu chapado'. Assim, não o conheço.
- Eu o quê?
- 'Eu chapado' - digo enquanto bebo chocolate.
- Como assim?
- Os poetas expressavam sentimentos que realmente não sentiam, tratando-os assim por escrevê-los pelo seu 'eu lírico'.
- E dai?
- Hoje, existem pessoas que usam essa licença de outra forma: aquelas que você só a conhece 'calibrada', você sempre a vê do mesmo jeito, mas esse não é o jeito dela. Raramente - raramente mesmo - você verá sóbria. Nem queira. Alguém com um encosto de Amy Winehouse ou Whitney Houston.
Ou seja, você não sabe de fato como ela é. Você conhece o 'eu chapado' dela, é ele que sempre se apresenta pra você, como um ator que sai do teatro e esquece de se desligar do papel sabe?
- Sei...
- Que sai por aí falando com sotaque holandês...
- Sei.
- Essas coisas.
- E quem está chapado não é si mesmo?
- Não, se você está sob seu 'eu chapado' logo tem uma personalidade própria e diferente do seu eu real.
- Então ele é um fake?
- Sim, quase sempre.
- Como se você sempre tivesse que segurar no corrimão da escada mesmo sabendo andar?
- Quem disse isso foi você.
- Simples assim?
- Tornou convenção estar-se chapado pra ser feliz, mas se sua felicidade depende de algo sintético ela existe de verdade? E se ele faltar, você não seria feliz, logo é uma felicidade falsa certo?
- Certo?
- Fui eu quem perguntei.
- Tão sofista isso..
- αυτός που είναι, τόσο χαρούμενος με τον εαυτό του.
- Interessante, mas ainda estranho.
- Seu 'eu sóbrio' geralmente tem alguma 'perda de personalidade' pra que o 'eu chapado' aflore.
- Tão Freudiano isso...
- Imagina.
- Paleolítico?
- Patológico, penso eu.


O 'Eu Chapado' é parente do 'Eu Bêbado'.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Dia dos Namorados: FAIL


"Muitas pessoas por aí tem seu casamento como o 'cumprimento de regras sociais' e nada mais. Não são felizes. Devemos perseguir a felicidade própria sem dar ouvidos ao que as pessoas dizem quando nos pressionam a 'convenções sociais'. A sociedade é hipócrita e muitas das pressões que fazem em nós para realizarmos certas conquistas é puramente uma repetição de maria-vai-com-as-outras. É muito cômodo ser como os outros.
Se déssemos ouvidos mais ao nosso coração, saberíamos que devemos casar, cursar faculdade, ter certo cargo.. entre outras coisas apenas se de fato quisermos. O ato de não ouvirmos nosso interior nos faz perder muito do que - de fato - faria diferença na nossa vida - de verdade - e perdemos tempo exercendo pressão sobre nós mesmos, sobre coisas não tão necessárias e ganhando cansaço, desânimo e rugas desnecessárias."

Fiz recentemente esse comentário em uma postagem de um dos meus melhores amigos, onde ele abordava a amargura das derrotas na busca do amor verdadeiro. Derrotas que são a parte natural desse curso de quem busca algo no campo dos relacionamentos. Devido a pressão que temos na mídia e na sociedade, achamos que 'temos a obrigação' de casar, formar, ter filhos. Todas essas ações, antes de qualquer coisa devem ser realizadas diante do nosso desejo pura e simplesmente. Alguém tem obrigação de se casar, de namorar, de se formar? Pasme: Não! Muitos vão argumentar "mas alguém deve se formar pra ascender blá blá.." Mas lhe pegunto de volta: e se a pessoa não quiser? Se ela estiver feliz sem essa formação... Não se formar, não é um sinônimo de vagabundagem, não confundam.
Se olhássemos mais para nossas reais necessidades em muitas coisas que fazemos na vida, teríamos muito mais coesão em nossas atitudes. Alguns, acabam fazendo da carência morada e provocando em si um vitimismo sem causa onde, não se consegue se desvencilhar disso porque construiu sob essa idéia seus conceitos e ali depositou a razão de muitos fracassos, afinal, assim não se precisaria assumir a culpa de nada. Outros, posam de desapegados que só querem curtir pra passar uma imagem de fortes, porém com suas atitudes perdem grandes oportunidades que o seu 'eu verdadeiro' deseja.
No dia dos namorados, essas idéias ficam mais latentes e se ouve aí "conquiste seu amor até a data" como se amar alguém de verdade dependesse só da gente e como se fosse extremamente errado estar solteiro. Estar solteiro nunca foi e nunca será abandono, tem gente que se desvaloriza de verdade justamente num relacionamento.
Se pudéssemos reduzir um pensamento sobre isso seria: Saiba o que quer, e faça da sua vida o que deseja de verdade. Conquiste o que quer pensando na sua necessidade real e não no que os outros vão pensar ou no que colocam na sua cabeça. E esse raciocínio não é um excesso de individualismo simplista, é a perspectiva de que algumas coisas que a sociedade diz que são felicidade ou está em outras coisas ou simplesmente não vale pra todos.

Voltando a postagem mais recente de quem me referi, roubo duas frases muito bem colocadas a quem está sem namorado no dia dos namorados:
"Não odeie o dia dos namorados ou qualquer outra data comemorativa, pois se você não tem motivos para comemorar, apenas não o faça...
Portanto, viva bem e você terá muitos motivos e outras datas para comemorar..."

Referências desse texto aqui.

Por falar em viver bem, se tiver áudio e um tempinho, clica aqui e seja feliz.