Seguidores

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

O Eu Bêbado


- Você o conhece!
- Não, eu conheço o seu 'eu bêbado'. Logo, não o conheço.
- Eu o quê?
- 'Eu bêbado'.
- Como assim?
- Os poetas expressavam sentimentos que realmente não sentiam, tratando-os assim por escrevê-los pelo seu 'eu lírico'.
- E dai?
- Hoje, existem pessoas que você só a conhece 'calibrada', louca na balada, 'no doce', e que provavelmente você raramente a verá sóbria. Alguém com encosto de Amy Winehouse.
Ou seja, você não sabe de fato como ela é. Você conhece o 'eu bêbado' dela.
- E quem está bêbado não é si mesmo?
- Não, o 'eu bêbado' tem uma personalidade própria e diferente do seu eu real.
- Então o 'eu bêbado' é um fake?
- 99% dos casos.
- Simples assim?
- Sim, não se admite isso porque se tomou como convenção estar-se bêbado pra ser feliz, mas a partir do momento que sua felicidade depende de algo sintético, é uma felicidade falsa ok?
- Interessante, mas ainda estranho.
- Sim, e seu 'eu real' geralmente tem alguma 'perda de personalidade' pra que o 'eu bêbado' aflore.
- Tão Freudiano isso...
- Seria Smirnoffiano talvez...

16 comentários:

  1. E quem já é estranho sem beber??

    ResponderExcluir
  2. é como dizem tambem...."isso não sou eu que esta dizendo, é apenas a bebida falando"
    Rpz fiquei bebado uma unica vez na minha vida... e isso serviu pra eu nunca mais encostar em bebidas! Meu "eu-bebado" é um tagarela!

    Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
  3. Falar, falar, falar. As três regras de ouro de um bêbado.

    ResponderExcluir
  4. Eu gosto de beber! Mas ficar sempre bêbado é outra coisa...

    ResponderExcluir
  5. eu tenho medo do meu eu bebado, até porque cada vez que ele vem é diferente do anterior, e como já sou estranho sem beber...

    FUDEU ² \o/

    ResponderExcluir
  6. Tô fodido e mal pago, pois. :-)

    ResponderExcluir
  7. Nunca fiquei bêbado, embora cada um age de uma forma embriagado, só não acredito q um bêbado não se lembre de nda, falam isso por vergonha do q aprontaram...

    ResponderExcluir
  8. Eu concordo.

    O que bêbado fala, não se anota. Por mais que seja a verdade saindo, algumas verdades são melhores guardadas, e enquanto eu puder contribuir para isso...

    ResponderExcluir
  9. Já tive porres homéricos, mas larguei dessa vida. È melhor ficar de cara limpa pra encarar a vida e tudo que tem nela (de bom e de ruim). Linda semana. Abraços.

    ResponderExcluir
  10. "se tomou como convenção estar-se bêbado pra ser feliz, mas a partir do momento que sua felicidade depende de algo sintético, é uma felicidade falsa ok?"

    Nossa, vai direto pro meu Fb, essa carapuça vai servir pra tanta gente, rs.

    Muito bom isso. Eu mesmo sempre brinquei quando bebia que "não era eu, era meu Eu Lírico", mas agora vou assumir que é coisa do "Eu Bêbado" mesmo.

    Ótimo post!

    ResponderExcluir
  11. Paraísos Artificiais, Beaudelaire.

    Mas quem pode dizer que o "eu bêbado" é menos real do que o "eu sóbrio"? É uma questão de perspectiva; difícil saber. Um alcoólatra inverte a questão (ele não bebe para ficar mais acessível ou algo do gênero, ele bebe porque precisa)? Também não se pode dizer que beber é uma forma de escapismo para todos.

    Sim, estou fazendo o advgado do diabo porque é divertido ser chato com vc.

    E Smirnoffiano? Smirnoff é pra lavar o chão depois do fim da balada. Só.

    ResponderExcluir
  12. Na sua grande maioria, as pessoas ou se utlizam da bebida para uma fuga, ou são assediadas pela convenção social do 'bebida = felicidade' que é semelhante aquela 'namoro = realização pessoal' lembra?
    Temos dentro desse raciocínio de nos descolar dessa normativa que impera na sociedade.
    Hoje é mais comum 'beber' que 'não beber'. Tenho opnião semelhante ao cigarro. Em posterior, discorro sobre...
    E Baudelaire, por mais poético que seja, viveu anos de sua vida 'artificialmente' apenas para agradar a outros.
    Enfim, isso vai longe...

    ResponderExcluir
  13. É absurdo dizer, conforme a linguagem popular, que alguém se esconde na bebida; pelo contrário, a maioria esconde-se na sobriedade.
    A frase não é minha, mas não lembro-me de quem é (malditos anos 80)

    ResponderExcluir